Há alguns anos, principalmente no Ocidente, a meditação era considerada coisa de hippie ou monge. Hoje no entanto, a grande maioria das pessoas tem consciência dos seus benefícios, tanto físicos, quanto mentais.

Meditar é um hábito milenar que exige disciplina, técnica, determinação e rotina. Porém os benefícios da meditação são enormes.

Estudos científicos feitos no ocidente, mostraram que ela pode ser um tratamento para problemas físicos.

Entre os benefícios estão a redução da frequência cardíaca, o aumento da serotonina (neurotransmissor que confere bem-estar) e da melanina (hormônio que ajuda o sono).

Além disso, também é eficaz no tratamento da enxaqueca, ansiedade e até do diabetes. Com dois meses de prática, foi comprovado que também pode-se obter a redução das emoções negativas, promovendo a melhora no sistema imunológico.

Pesquisadores estudaram dois grupos de pessoas para observar os efeitos da meditação em um nível molecular. Um grupo foi instruído a passar um dia calmo e relaxado, enquanto o segundo grupo, composto por meditadores qualificados, foi instruído a passar um dia envolvido em meditação consciente.

Antes do início do estudo, não havia diferenças nos genes entre os grupos. Depois, os meditadores experientes apresentaram alterações em nível molecular. Uma dessas modificações foi uma redução na expressão do gene inflamatório. Ou seja, a meditação não só pode fazer você mais feliz e saudável, como pode fazer alterações em um nível genético.

Eu por exemplo, tinha grande dificuldade para meditar. A posição tradicional de lótus, não me deixava confortável. Eu a achava incomoda, por isso comecei a pesquisar sobre o assunto e descobri que existem muitos métodos que são utilizados para atingir o mesmo objetivo.

Indira Ghandhi, filha do Mahatma Gandhi, a primeira mulher a se tornar chefe do governo na ìndia, meditava enquanto fazia algum tipo de serviço doméstico. Ela costumava dizer que este era o seu melhor momento para meditar.

Quando tomei conhecimento desta informação, percebi que eu também fazia isso, só que não sabia que era considerado uma forma de meditação.

Outra forma que eu utilizo para meditar, foi-me ensinado por um grande amigo espanhol e que consiste basicamente nisso:

“Se você estiver com dificuldade para acalmar ou cessar seus pensamentos, conforme orienta a técnica tradicional, tente imaginar com os olhos fechados, uma nuvem passando a sua frente demoradamente. Tente acompanhá-la. Quando um pensamento desviar sua atenção, concentre-se novamente no movimento da nuvem…”

É importante, no momento da meditação, estar em um lugar silencioso, limpo e agradável. Se for do seu agrado, acenda um incenso ou aromatize o ambiente. Música suave e com volume baixo, também pode tornar a meditação mais agradável.

Muitas pessoas têm dificuldade para meditar, pois não conseguem fazer cessar o turbilhão de pensamentos que perturbam a mente, em torno de 60.000, diariamente. Porém, meditar não é tentar não pensar em nada. O importante é esforçar-se para não se deixar envolver pelos pensamentos. Observe as imagens que se formam naturalmente, mas  evite classifica-las e se envolver emocionalmente com elas. Se isso acontecer, volte ao início e siga a meditação.

Meditar é importante e faz bem, porém a forma mais correta, é aquela que traz os melhores resultados para você!

Pense nisso!

Um grande abraço e até o nosso próximo post!

 

palestrante-zilah-fioravanso-logo

Campos com * são obrigatórios